INSURGÊNCIA GLOBAL proletari

Comunicado nº 6 da Conferência Internacional

NO 75 ANIVERÁRIO DA VITÓRIA CONTRA O NAZIFASCISMO
VOLTAREMOS A FAZÉ-LO!

Entom,
de que serve dizer a verdade
sobre o  fascismo que se condena
se nom se di nada
contra o capitalismo
que o origina?”
     Bertolt Brecht

 

9 de maio de 1945 o III Reich nazi, que segundo Adolf Hitler ia durar mil anos, rendia-se incondicionalmente aos representantes do Exército Vermelho. O próximo sábado celebraremos o 75 aniversário desta esmagadora vitória antifascista, fruto do esforço dos Povos Trabalhadores de todas as naçons da Uniom Soviética, e mui especialmente do proletariado soviético. Nom podemos esquecer o esforço e os enormes sacrifícios do resto dos Povos Trabalhadores da coaligaçom antifascista, especialmente os da martirizada Europa oriental, que sufreu toda a fúria racista e genocida dos nazis.

A derrota militar do III Reich nom foi fruto da luita do soldado Ryan, como a maquinária de guerra para a propaganda imperialista que se chama Hollywood nos quer fazer acreditar. Os factos objetivos monstram-nos que foi o Exército Vermelho quem derrotou o criminal e genocida exército nazi, e assumiu o enorme sacrifício em vidas humanas e material.

Só a URSS foi capaz de derrotar o nazifascismo nos campos de batalha. A batalha das Ardenas demonstrou que umha força reduzida da Wehrmacht, apenas umha fraçom minúscula do seu esforço bélico na Frente do Leste, era capaz de romper a frente do soldado Ryan e os seus generais. O Imperialismo ianque quer fazer-nos acreditar que  o fim do III Reich começou com o desembarco da Normandia. Nada mais falso e ridículo. A verdade é outra, mui diferente.

A Revoluçom Socialista de Outubro de 1917 abriu as portas à construçom do Socialismo, e aterrou todas as burguesias do planeta. As democracias burguesas, liberais e capitalistas, imperialistas, tinham a esperança de que o nazifascismo destruisse a URSS grátis para eles. Nisso esforçarom-se, até que se dérom conta que o monstro que tinham contribuído a criar para destruir a Revoluçom Proletária tinha os seus próprios interesses e a sua própria agenda de dominaçom mundial. Havia que desviar os golpes da besta parda...

Por isso atraiçoárom e abandonárom a II República espanhola, agredida polo fascismo internacional, especialmente polo fascismo “esquecido e ocultado”, o nacional-catolicismo, forma específica que adotou o fascismo clerical fabricado polo Vaticano e que foi a sua versom maioritária: Portugal, Espanha, Croácia, Eslováquia, Bélgica, Libano e Austria antes da anexom dos nazis. Sem esquecer o fascismo italiano, o primeiro em chegar ao poder, de forte componente católico e que foi apoiado com entusiasmo polo “antifascista” de brincadeira e anticomunista furibundo, Winston Churchill e o fascismo romeno, de tendência cristá ortodoxa.

A burguesia queria utilizar o fascismo e o nazismo para que lhes figessem o trabalho sujo de esmagar a classe obreira e a Revoluçom socialista. Por isso também atraiçoárom e abandonárom a República de Checoslováquia e pactuárom com Hitler e Mussolini em Munique, em 1938, com a ideia de desviar a maquinária de guerra nazi contra a URSS.

Nom vamos alongar-nos mais. Todos os dados som de mui fácil acesso. A crise profunda na que se tem sumergido o capitalismo agónico, última fase do seu desenvolvimento imperialista, tem aberto a porta ao resurgimento de novos fascismos e nazismos em todo o mundo, e mui especialmente na Europa. A pandemia do COVID19 nom tem feito mais que acelerar ainda mais o processo de fascistizaçom do sistema capitalista. Vamos face um novo tipo de fascismo, que vai conservar formas parlamentares para melhor enganar e adormecer à classe obreira.

A única forma de acabar dumha vez por todas com o fascismo é destruir para siempre el Capitalismo, e iniciar a construçom do Socialismo, no processo de transiçom cara um modo de produçom superior, onde nom existam nem as classes sociais, nem o estado, nem o patriarcado. Este modo de producción chama-se, desde o Manifiesto de 1848 de Karl Marx e Friedrich Engels, Comunismo.

Neste 75 aniversário da vitória contra o nazismo do Exército Vermelho, as organizaçons da Conferência Internacional, Agora Galiza, Nación Andaluza e Herritar Batasuna fazemos um apelo a todos os Povos Trabalhadores do mundo e especialmente às suas classes obreiras para intensificar em todas as frentes o combate antifascista, que nom é outro neste momento que o combate anti-imperialista e anticapitalista.

Em todo o mundo o fascismo avança. De Brasil com Jair Bolsonaro, à Índia com N. Mohdi pasando polos EUA com D. Trump, os Estado espanhol e francês Front National francês, com Vox, PP e C´s ou na Hungria com Fidesz.

 

Contra o fascismo, Revoluçom Socialista!

Unide-vos, Irmaos Proletários! “UHP!”

Nom passarám!

É demasiado cedo
para cantar vitória:
ainda é fecundo
o ventre do que surge
a besta imunda.”
     Bertolt Brecht

 

9 de maio de 2020